Transferências e Nomeações nas Paróquias de Feira de Santana

1

O Arcebispo Metropolitano, juntamente com o Conselho Presbiteral, realizou algumas transferências e nomeações, visando sempre o bem das pessoas, das paróquias e do Povo de Deus. O costume de transferir cardeais, bispos, sacerdotes, diáconos, religiosos(as) sempre existiu na Igreja Católica. Cada transferência é cuidadosamente refletida. Após um diálogo com cada pessoa, o Conselho, diante de Deus, procura fazer o melhor discernimento e toma a decisão. Seguindo orientação da Arquidiocese, todos os transferidos devem assumir a nova paróquia ou função antes do início da quaresma de 2011. Foram realizadas as seguintes transferências e nomeações:



01 – Mons. José Nery de Almeida – Vigário Geral e Pároco da Paróquia da Catedral Metropolitana de Sant’Ana.


02 – Mons. Luiz Rodrigues Oliveira – Ecônomo, Pároco da Paróquia Senhor dos Passos e Professor na Faculdade de Teologia.


03 – Pe. Pedro Moraes Brito Júnior – Vigário Episcopal para a Cultura e Educação, Diretor e Professor da Faculdade de Teologia e Capelão das Irmãs Sacramentinas.


04 – Pe. João Carlos Falcão de Brito – Coordenador de Pastoral e Pároco da Paróquia Senhor do Bonfim – Cruzeiro.


05 – Pe. Aristóteles da Silva – Pároco da Paróquia Santo Estevão, em Santo Estevão e Diretor Religioso da Rádio São Gonçalo.


06 – Pe. Miguel Amaral de Sousa – Pároco da Paróquia São Gonçalo do Amarante, em São Gonçalo dos Campos.


07 – Pe. Genival 0liveira Carvalho – Coordenador da Pastoral Vocacional e Vigário Paroquial da Paróquia Imaculada Conceição – Conceição 01.


08 – Pe. Gilvan Pereira Brito – Reitor do Seminário Propedêutico Nossa Senhora da Providência e Vigário Paroquial da Paróquia São Gonçalo do Amarante, em São Gonçalo dos Campos.


09 – Pe. Júlio César Santa Bárbara – Vice-Coordenador de Pastoral e Administrador Paroquial da Paróquia São José Operário – Campo Limpo.


10 – Pe. Gérson Pereira de Figueiredo – Administrador da Pró-Paróquia São Francisco de Assis – João Paulo II.


11 – Pe. Pedro Rodrigues da Silva – Administrador Paroquial da Paróquia São José das Itapororocas – Maria Quitéria – e da Paróquia Nossa Senhora do Carmo – Jaguara.

12 – Pe. Arnaldo Lima Dias – Diretor Espiritual do Seminário Santana Mestra e Vigário Paroquial da Paróquia Nossa Senhora Aparecida – Feira IX.


13 – Pe. Cristiano Fechine de Holanda – Vigário Paroquial da Paróquia Senhor do Bonfim – Cruzeiro.


14 – Pe. Gilmar de Assis dos Santos – Administrador Paroquial da Paróquia Nossa Senhora Aparecida – Feira IX.


15 – Pe. Josevaldo de Sousa Machado – Vigário Paroquial da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro – Tomba.



16– Pe. Luciano Curvelo de Almeida – Vigário Paroquial da Paróquia de Santo Estevão, em Santo Estevão.


17 – Pe. Vagne Gama – Reitor do Seminário de Irecê – Vigário Paroquial da Paróquia São José Operário – Campo Limpo.


18 – Diácono João Antônio Barros – Coordenador da Pastoral dos Enfermos e Auxiliar Pastoral, na Paróquia Nossa Senhora dos Remédios, em Ipuaçu.


19 – Diácono João Carlos Ferreira de Sousa – Coordenador da Pastoral do Dízimo e Auxiliar Pastoral na Paróquia Senhor do Passos.


20 – Diácono Gilberto Santana dos Santos – Auxiliar Pastoral na Paróquia da Catedral Metropolitana de Sant’Ana.


A ARTE DE MANDAR E OBEDECER

MANDAR e obedecer são artes. Há pessoas que não sabem mandar, outras não sabem obedecer. Vale para o sucesso: há quem não saiba vencer e quem não saiba perder. A pessoa madura sabe mandar e obedecer, sabe conviver com o sucesso e com a derrota. A pessoa imatura não sabe mandar e nem obedecer.

MANDAR supõe a capacidade de ouvir. O coordenador, em qualquer nível, sabe escutar seus subordinados. A partir daí percebe a melhor solução e – se possível – o consenso. Um problema pode ser percebido de ângulos diferentes. Todo o ponto de vista é visto a partir de um ponto. Há diferentes saberes e cada pessoa tem seu saber. Santa Catarina de Sena lembrava: Deus não deu a uma pessoa todos os dons e não deixou a ninguém sem dons. E a santa concluía: isto é para que aprendamos a partilhar.

O LEGENDÁRIO Marechal Osório (1808-1879) dizia: “É fácil a missão de comandar homens livres, basta indicar-lhes o caminho do dever”. A arte de mandar consiste em apontar o caminho do dever. Este caminho deve focar sempre o bem comum. Vale para uma família, para uma comunidade eclesial, para uma empresa, para uma cidade ou país. E isto em última analise, identifica se uma lei é justa ou injusta. O verdadeiro triunfo não é daquele que impõe a própria vontade, mas daquele que sabe semear idéias.

É O SERVIÇO quem dá dignidade a todas as coisas. O serviço deve marcar a atitude de quem manda e a atitude de quem obedece. O Mestre Jesus deixou muito clara a posição: “Eu vim para servir e não para ser servido” (Mt 20,25

+ Itamar Vian
Arcebispo Metropolitano

1 comentários:

Catequese.Cucujães disse...

Queridas catequistas Clécia e Sandra Obrigada pelo vosso trabalho, feito com tanto amor, nesta partilha, com todos aqueles que querem conhecer melhor o nosso Grande Amigo Jesus!

Vimos desejar-vos um Santo Natal, que Jesus Menino viva sempre no vosso coração.
Beijos fraternos!

Postar um comentário

Que a graça e a paz de Nosso Senhor Jesus Cristo lhe acompanhem!
Seu comentário é precioso.
Muito obrigada!
Afetuosamente,
Clécia e Sandra

Related Posts with Thumbnails